Consultoria de Investimentos

Papo de Mercado: Tijolo de Areia.

 


O Índice de Confiança da Construção (ICST) caiu pelo quarto mês consecutivo

O Índice de Confiança da Construção (ICST) caiu pelo quarto mês consecutivo, atingindo o menor nível desde julho do ano passado (83,7 pontos), de acordo com a Fundação Getulio Vargas (FGV). O indicador de sondagem do setor cedeu 3,8 pontos, para 85,0 pontos. Em médias móveis trimestrais, apresentou queda de 2,5 pontos.

Conforme a coordenadora de Projetos da Construção da FGV do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), Ana Maria Castelo, a piora no cenário setorial reflete a preocupação com a escassez e com a elevação dos custos, além do agravamento da pandemia. A confiança dos empresários, afirma, retornou a um nível inferior ao observado antes da pandemia, com os dois componentes do indicador revertendo toda a melhora registrada a partir de maio de 2020.

“O problema persiste e não dá indicações de trégua, atingindo contratos em andamento e dificultando a precificação dos produtos. O elemento novo em abril foi o aumento expressivo das assinalações no quesito demanda insuficiente como limitador à melhoria dos negócios das empresas, provavelmente decorrente do fechamento dos estandes de vendas em algumas cidades”, diz Castelo em nota.

O Índice de Situação Atual (ISA-CST) recuou 3,5 pontos, para 84,3 pontos, ante 87,8 pontos em março. O recuo do ISA-CST foi influenciado pela piora do indicador de situação atual dos negócios, que caiu 6,3 pontos, para 84,4, o menor nível desde agosto de 2020 (81,8).

O Índice de Expectativas (IE-CST) caiu 4,0 pontos, para 86,0 pontos, o menor patamar desde junho de 2020. O recuo acumulado nos últimos seis meses é de 13,1 pontos. Segundo a FGV, o desempenho reflete a menor expectativa dos empresários em relação à demanda, já que o indicador de demanda prevista cedeu 7,6 pontos, para 84,7 pontos, o menor resultado desde junho de 2020 (83,1).

O Nível de Utilização da Capacidade (Nuci) da Construção subiu 5,3 pontos porcentuais (p.p), para 77,1%. O Nuci de Mão de Obra deu a maior contribuição, com avanço de 5,6 p.p, chegando a 78,6%, seguido pelo NUCI de Máquinas e Equipamentos, que aumentou 4,4 p, a 70,5%..

De acordo com a FGV, os primeiros meses de 2021 representam uma clara inflexão da retomada, já que o indicador de Evolução Recente da Atividade voltou a nível semelhante ao de agosto de 2020. Dessa forma, em abril, 16,0% das empresas sinalizaram uma redução do número de empregados nos próximos meses, ao passo que 12,1% indicaram intenção de contratar. “Após superar o nível pré-pandemia, o setor andou de lado, sem conseguir deslanchar”, afirma a instituição em nota.

 O retorno bruto da carteira R&F Partners acumulou 8,64% (somado as operações do Trade Cash + proventos sobre dividendos) no acumulado de 2021 (fechamento 28/04/2021), comparado ao retorno de 1,27% para o Ibovespa no mesmo período. Isso equivale a dizer que a carteira R&F Partners, concentrada em poucas ações, apresentou retorno 7,37% superior ao seu principal índice de referência.

Trade Cash todas as semanas com recomendações de operações day trade, swing trade, futuros e derivativos!

ATENÇÃO ÀS RECOMENDAÇÕES DE CURTO PRAZO DO TRADE CASH!

Estamos à disposição pelos nossos canais de atendimento.

contato@rfpartners.com.br 

www.rfpartners.com.br

3253 2997 (Telefone) – 9 6098-7550 (Celular/Whatsapp)

R&F Partners Investment Solutions

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *