Consultoria de Investimentos

Papo de Mercado: Ata ou Ah Tá.

VOCÊ NÃO COMPROU DÓLAR? E AGORA?

Ata do Copom: Riscos limitam queda da Selic abaixo de 5%

  • A ata do Copom reforça a indicação de que outro corte de 0,50 p.p. na taxa Selic, na reunião de outubro, é provável, uma vez que o comitê repetiu a alusão a um cenário híbrido, com taxa de câmbio constante em R$/US$ 4,05 e taxas de juros mais baixas (seguindo as expectativas de mercado), que produz projeções de inflação abaixo da meta, sugerindo que este nível de taxa de câmbio não é impedimento para mais estímulos.
  • Mas as autoridades também mencionaram que os riscos de cenários adversos para ativos de risco (leia-se: taxa de câmbio) parecem ter se intensificado, o que limita, por enquanto, qualquer indicação de que o Copom possa testar níveis de taxas de juros ainda mais baixos. Mantemos nossa expectativa de um corte de 0,50 p.p. na taxa Selic em outubro.

Inflação

  • O relatório de inflação de setembro de 2019 mostra projeções consistentes com um novo corte de juros na próxima reunião do Copom, nos dias 29 e 30 de outubro. Adicionalmente, o documento indica que a taxa Selic pode permanecer em uma nova mínima de 5,0% por tempo considerável, com alta somente a partir de 2021.
  • De acordo com os cenários nos quais a taxa de juros se situa em 5,0% até o fim de 2020 e 7,0% nos anos seguintes, a inflação permaneceria bem comportada nos próximos anos, mas ficaria acima da meta de 3,5% em 2022.
  • Dessa forma, o relatório parece sugerir que, na avaliação atual do Banco Central, existe espaço para manutenção da Selic em 5,0% no próximo ano, ainda que o patamar de equilíbrio dos juros no Brasil possa ser um pouco superior aos referidos 7,0%.

Concessões de crédito seguem em alta em agosto

  • O Banco Central divulgou hoje as informações de crédito referentes ao mês de agosto. As concessões de crédito livre cresceram 1,0% em termos reais e com ajuste sazonal frente ao mês anterior. As concessões de crédito direcionado avançaram 3,0%. A taxa de inadimplência do sistema, com ajuste sazonal, teve leve alta para 3,1%.

Desemprego aumenta para 12,0% com ajuste sazonal

  • A taxa de desemprego nacional alcançou 11,8% em agosto, acima da mediana das expectativas do mercado e da nossa projeção (11,6% e 11,7%, respectivamente). De acordo com nosso ajuste sazonal, o desemprego avançou de 11,9% para 12,0%.
  • A taxa de subutilização alcançou 24,3%, mesmo patamar de agosto de 2018. Em termos dessazonalizados, o indicador apresentou segundo recuo consecutivo, atingindo 24,3% (-0,1 p.p.).
  • A massa salarial real cresceu 1,8% na comparação anual e 0,4% na variação trimestral.

INCLUÍMOS UMA AÇÃO QUE VAI DOBRAR NOS PRÓXIMOS MESES!

O retorno bruto da carteira R&F Partners acumulou 15,28% (somado as operações do Trade Cash + proventos sobre dividendos) no acumulado de 2018 (fechamento 02/10/2019), comparado ao retorno de 13,53% para o Ibovespa no mesmo período. Isso equivale a dizer que a carteira R&F Partners, concentrada em poucas ações, apresentou retorno +1,75% superior ao seu principal índice de referência.

Trade Cash todas as semanas com recomendações de operações day trade, swing trade, futuros e derivativos!

ATENÇÃO ÀS RECOMENDAÇÕES DE CURTO PRAZO DO TRADE CASH!

www.rfpartners.com.br

contato@rfpartners.com.br

Telefone (11) 3253 2997

WhatsApp (11) 9 6098 7550

R&F Partners Investment Solutions

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *